terça-feira, 24 de outubro de 2006

Confiança?

Confiamos em quem? A confiança plena existirá realmente? Existirão vários graus de confiança? Vários patamares, nos quais aqueles que nos rodeiam, que fazem parte do nosso universo social vão subindo gradualmente? Será a confiança numa primeira fase, uma permição de aproximação territorial virtual, que depois se vai desenvolvendo até à permissão de contacto verbal e físico e por aí fora até à amizade profunda?
Talvez seja uma subida inclinada que temos que percorrer até aos outros.
Pessoalmente preferia que fosse uma descida, que o acesso à confiança fosse mais facilitado.
Há uma frase corrente: "confio até certo ponto", será isto confiança, desconfiança, ou fronteira bem demarcada no pensamento de cada um? Existirá realmente alguém que confie sem meias nem peias, que deposite uma confiança massiça e total?
E a desconfiança será o querer de volta aquele nosso território onde deixámos alguém passear-se de forma descontraída? E o abuso de confiança será de fácil reconhecimento para o suposto prevaricador, terá ele capacidade para reconhecer ambos os limites? Será uma questão de bom senso?
O que será que origina realmente a maior ou menor confiança? Serão afinidades comuns? Valores comuns? Classes sociais comuns? Será o crescimento da confiança o desvanecer do medo?
Nunca saberemos todas as respostas de qualquer assunto, talvez a evolução esteja mais na capacidade de elaborar novas perguntas, quem sabe...

1 Comentários:

Blogger Lambda disse...

Eu confio que sempre q cá venho gosto do que leio :)

02:11  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial